Vídeos da Casa do Crescer

Loading...

terça-feira, 21 de setembro de 2010

O PODER PROTETOR DO LEITE MATERNO

Por NICHOLAS WADE
Uma grande parte do leite humano não pode ser digerida pelos bebês e parece ter um objetivo muito diferente da nutrição infantil -o de influenciar a composição das bactérias no trato digestivo do bebê.
Os detalhes desse relacionamento triplo entre mãe, filho e micróbios do estômago estão sendo esclarecidos por três pesquisadores da Universidade da Califórnia em Davis, Bruce German, Carlito Lebrilla e David Mills. Eles e outros colegas descobriram que uma determinada variedade de bactéria, uma subespécie da Bifidobacterium longum, possui diversos genes que permitem que ela prospere no componente indigesto do leite.
"Ficamos surpresos ao ver que o leite tinha tanto material que o bebê não consegue digerir", disse German. "Descobrir que ele estimula seletivamente o crescimento de bactérias específicas, que por sua vez protegem o bebê, nos permite ver a genialidade da estratégia -as mães recrutam outra forma de vida para cuidar de seu filho."
Os bebês supostamente adquirem essa variedade especial de bifidobactéria de suas mães, mas estranhamente ela não foi detectada em adultos. A substância indigesta que favorece a bifidobactéria é uma série de açúcares complexos derivados da lactose, o principal componente do leite. Os açúcares complexos consistem em uma molécula de lactose à qual foram acrescentadas cadeias de outras unidades de açúcar.
O genoma humano não contém os genes necessários para decompor os açúcares complexos, mas a subespécie bifidobactéria sim, dizem os pesquisadores em uma revisão de seu estudo na edição de 3 de agosto de "Proceedings of the National Academy of Sciences".
Os açúcares complexos foram considerados por muito tempo sem importância biológica, embora eles constituam até 21% do leite. Além de promover o crescimento da variedade bifidobactéria, eles servem como isca para bactérias nocivas que poderiam atacar os intestinos dos bebês.
Os açúcares são muito semelhantes aos encontrados na superfície das células humanas e são formados no seio pelas mesmas enzimas. Muitas bactérias e vírus tóxicos se ligam a células humanas através dos açúcares da superfície. Mas, em vez disso, eles se ligarão aos açúcares do leite. "Pensamos que as mães evoluíram para permitir que essa coisa flua ao bebê", disse Mills.
German vê o leite como "um produto incrível da evolução", que foi moldado pela seleção natural porque é tão crítico para a sobrevivência tanto da mãe quanto da criança. "Tudo no leite tem um preço para a mãe -ela literalmente dissolve seus próprios tecidos para fabricá-lo", disse.
O bebê nasce em um mundo cheio de micróbios hostis, com um sistema imunológico destreinado e sem o ácido cáustico do estômago que nos adultos mata a maior parte das bactérias.
German e seus colegas estão tentando "desconstruir" o leite, baseados na teoria de que o fluido foi moldado por 200 milhões de anos de evolução mamífera e contém uma riqueza de informações sobre a melhor maneira de alimentar e proteger o corpo humano.
Embora o leite em si seja destinado a bebês, suas lições podem se aplicar aos adultos. Os açúcares complexos, por exemplo, são uma forma de influenciar a microflora do estômago para que ela possa em princípio ser usada para ajudar bebês prematuros, ou nascidos de cesariana, que não adquirem imediatamente a variedade bifidobactéria.
As proteínas do leite também têm funções especiais. Uma delas, chamada alfa-lactalbumina, pode atacar células de tumor e as infectadas por vírus, restaurando sua capacidade perdida de cometer o suicídio celular. A proteína, que se acumula quando um bebê é desmamado, também é o sinal para que o seio volte a sua forma normal.
Essas descobertas deram aos três pesquisadores uma aguda consciência de que cada componente do leite provavelmente tem uma função especial. "Tudo está lá por um objetivo, embora ainda estejamos tentando descobrir qual é esse objetivo", diz Mills. "Então, por favor, amamentem." 

terça-feira, 14 de setembro de 2010

MENOS ADRENALIDA E MAIS OCITOCINA NO PARTO - Entrevista com o obstetra Michel Odent

"A tecnologia é aliada do homem na Medicina, mas faz com que alguns instintos sejam deixados de lado. Para o obstetra francês Michel Odent, o aparato tecnológico está tornando os partos menos eficazes. Ele defende a “mamiferização” do parto, que é como chama o conjunto de ações que fazem com que o nascimento respeite as condições inatas da mulher. Quanto mais máquinas, especialistas por perto e iluminação, menor a segurança da mulher no momento em que ela precisa estar tranquila para dar à luz, diz Odent. O bebê deveria ficar com a mãe assim que nasce e ser amamentado na primeira hora de vida. Sempre lembrando que somos animais, o obstetra fala sobre a fisiologia do parto, sobre os hormônios e substâncias ligadas ao nascimento e ao medo, que podem causar dor.
Odent ficou conhecido por in­­­­troduzir no hospital de Pithi­­­viers, na França, o conceito da casa como sala de parto e da utilização das piscinas de parto. Autor de 12 livros publicados em 22 línguas, o médico esteve em Curitiba no início de abril e conversou com o Viver Bem..."
Clique AQUI para ler a entrevista completa.

quinta-feira, 2 de setembro de 2010

FIQUE ATENTA A LINGUAGEM DAS CRIANÇAS

Slide 4

O desenvolvimento da linguagem começa antes da criança nascer. Ainda dentro da barriga, o bebê já é capaz de responder a sons e sensações vivenciadas pela mãe.

No primeiro ano de vida, a criança se comunica pelo olhar, choro, sorriso, gesto. O adulto mais próximo deve ficar atento a esses comportamentos, respondendo às necessidades da criança e estimulando-a.

Quando começa a falar, ela usa uma mesma palavra para nomear várias coisas. Atentos, os pais, tios, avós, babás e professores devem responder de forma correta, clara e simples, mostrando, sempre que possível, o objeto de que estão falando. 

IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES DE VIDA DIÁRIA
           
Deve-se aproveitar as situações do dia-a-dia, como a hora do banho, da alimentação e da troca de fraldas para estimulação da criança, através de conversas e perguntas.
Saiba escutar o que a criança tem a dizer.

A aquisição do vocabulário da criança está diretamente ligada ao que ouve, portanto converse, cante, relate, explore todos os momentos em que estiverem juntos.

Não esqueça:  
A criança aprende por meio de suas experiências e o papel dos adultos é proporcioná-las! 


ATITUDES QUE AJUDAM A CRIANÇA A DESENVOLVER A LINGUAGEM

        Aproveite os momentos de maior atenção da criança para conversar com ela, usando palavras simples e frases curtas, falando de igual para igual.

        Pronuncie corretamente as palavras, usando boa articulação e entonação.

         Devolva sempre as palavras ditas pela criança de maneira correta e motivadora, sem infantilizar a sua fala

        Valorize o contato com a criança: o toque, o olhar são manifestações essenciais.

         Dê pequenas ordens, como "pegue um copo para a mamãe", "jogue um beijo para a vovó"

        Explore a língua, os lábios e as bochechas. Brinque com isso! Faça caretas, barulho de carro (vibrando os lábios), jogue beijo, encha as bochechas de ar e solte-as... 
Não é preciso um momento próprio para essas estimulações.